Páginas

domingo, 21 de outubro de 2012

Lançamento do livro 50 em Diante. Cantos e Poesias.

O lançamento aconteceu na Casa de Seu Jorge em Recife e contou a presença de queridos amigos que prestigiaram e apoiaram um momento importante para a vida de todo escritor. 
Além do lançamento pudemos ouvir as lindas canções de Isabela Moraes, Diogo Santos, a poesia do Zé Preá e o violão lindíssimo do Luciano Jatobá. Toda essa maravilha orquestrada por Zé Renato que nos presenteou com músicas lindas de sua autoria. Essa foi a ideia do primeiro Sarau Cultural. Outros virão, com certeza. As fotos postadas podem mostrar a maravilha que foi a noite. 

Obrigada a todos que participaram. O poema Renovação está após as fotos.

Publico aqui também um, podemos até dizer, suplício ao nosso rio, cartão postal da cidade, que aos recifenses encanta e símbolo da chamada Veneza brasileira, mas se providências sérias não forem tomadas a poluição o destruirá para sempre.

Capibaribe Chora
Flutua
banhando a cidade,
Rio das Capivaras,
o tupi teu nome traz,
Recife a noite encanta...
pessoas pouco alimenta.
Triste musgo,
abandono doente,
teu leito pede clemência,
tuas águas hoje choram.

Leva botes, canoas,
provoca às vezes enchente,
senhores, feitores, lavradores,
sangue,
colonos,
sonhos desfeitos,
da cana-de-açúcar já foi leito,
na agricultura destaque,
fértil ventre,
paisagem colonial,
várzea, massapé, terra vermelha,
que pena
não voltam mais.

Deitam por teu leito vários bairros.
Poço da Panela, Torre, Capunga,
Derby, Madalena,
Caxangá, Apipucos.
Hoje está esquecido,
triste,
forrado de lama,
assoreado,
abandonado.

Capibaribe dos poetas,
das descobertas,
das lembranças,
sonho passado de paraíso,
presente agonizante,
veia do mar e dos mangues,
das pontes.
Revoluções, fugas, assassinatos,
banharam-te de sangue,
é história de vitória,
um futuro melhor ,
quem sabe...
Porém no triste presente,
Capibaribe hoje implora,
está longe do que foi antes,
Capibaribe suspira sofre,
desprezado chora.

Algumas fotos da noite maravilhosa
Marília e Vernon

Alberto Cajueiro (companheiro de Maracatu) e Patrícia Andrade

Fátima Torres e Rodrigo
Terezinha

Dra Zoraide Nery
Marlene Franklin, revisora e Nadja Melo

Nilton Porto ex-aluno e excelente gestor portuário
Fred , Amanda Garrido e Letícia (escondida)
Elda, Mirtes e Sol...longas datas!

Solange Lacava
Lucila, Álida e Téo...ex-alunos e administradores queridos

Poeta RogérioGeneroso. "Prefacista" do livro

Diogo Santos e banda com Flavio Glasner (genro)
Amigona Sybelle e família

Queridos Lucivãnio Jatobá e Zé Renato

Minha filha Marcela e o historiador Adriano Marcena





Telúrio Homem, Marlene e Walace Brayan
Zé Renato e Izabela Moraes (Belinha)


Lindos: Belinha cantando... Zé Preá recitando
e Zé Renato só admirando!






Família linda






As meninas!
Homenagem do Lucivânio, que maravilha!




Meu querido amigo e parceiro de música Zé Renato















 Tácito Garrido e Telúrio Homem



Lindos momentos. Só estando lá pra sentir!








Marcena com Seu Jorge





Pai e filho. Raphael e Ricardo Jorge idealizadores da Casa





Renovação

Pelos quatro cantos do quarto
esconde-se o meu silêncio,
pela janela brilha a lua
ecoam as ondas do mar.
Empurra as folhas o vento,
o tempo se mistura ao espaço,
ao longe soa uma música.
Lembrança, sorriso, palavras
infância distante,
juventude passada.
Renovo-me a cada segundo
nada mais importa
nem o tempo, nem o medo.

O reinício da estrada
meus sonhos,
alguns realizados
vários ainda a conquistar.
Sou fiel, sou verdade, sou dona
dona de mim,
me comando, me mando, me guio
falho, acerto, esqueço,
desabo, sorrio, brinco.
em cada passo, avanço ao futuro.
em cada erro enriqueço.

Sou dona,
dona do meu destino,
dona do meu mundo,
cada amizade me dá vida
cada trabalho me revigora,
em mim mesma me seguro.

Renovo meus sentimentos,
meu querer, minha vontade
minha verdade.
E em cada amor perdido,
reanimo e
mais me fortaleço