Páginas

domingo, 1 de setembro de 2013

Empresa familiar e a gestão profissional.


Tenho visto muitos fracassos de empresas familiares, porque os seus donos não conseguem separar o pessoal do profissional. Entendo que é um pouco difícil "se lavar a roupa suja em casa", mas quando isso reflete nos negócios, consequentemente levará a empresa ao fracasso.
Quando se fala em implantar novas práticas de gestão, nem pensar. O dono acha que sempre deu certo. Então, pra que mudar? Investir em publicidade, infraestrutura, tecnologia, inovação, por exemplo, “é desnecessário no momento atual, quem sabe no futuro”. Planejar, priorizar objetivos e estabelecer metas, “o que é isso mesmo?”
Sendo assim, como fica a empresa diante dos concorrentes? 
A competitividade é grande em todos os ramos de negócio e quem não procura aprimorar suas práticas e tratar bem seus clientes, adeus!!!
Legal, então vamos, pelo menos, investir nas pessoas. Motivar, incentivar ou oferecer alguns benefícios para segurar esses profissionais.
Pior!!  “A culpa do fracasso é dessas pessoas sem compromisso e não da minha gestão. Sou o melhor patrão do mundo!!” 
Epa, quase esqueço: existe outro culpado. O governo, que onera as empresas de impostos.
Observem que o culpado é sempre o outro!!! É assim que funciona!
          Tenho ouvido muito de meus alunos frases do tipo: “o dono não quer” ou “o dono é tão limitado que acha que qualquer coisa nova será um gasto. Não olha como investimento”.
É uma pena!!
            Alem da falta de investimento nas áreas que já apresentei, outra causa que pode levar a empresa à ruína é o nepotismo (quando parentes se misturam dentro do negócio da organização e assumem cargos por laços de sangue e não por capacidade). Isso gera, muitas vezes, uma confusão geral.

            Entendam que a incapacidade para gerir uma empresa familiar não é regra, mas se configura na maioria delas. Já visitei empresas familiares que são exemplos em gestão, inclusive premiadas na área de gestão da qualidade, mas outras que são um verdadeiro fracasso. Muitas delas nem existem mais.

Sobre esse tema, encontrei dois bons artigos. Um deles, que transcrevo abaixo, é o EMPRESA FAMILIAR E PROFISSIONAL e o outro é um artigo do Professor Falconi, PROTEJA SEU NEGÓCIO DA BRIGAS DE FAMÍLIA, que também faz parte dessa postagem.

Existem gestores que se acham tão bons, que não percebem os próprios erros e passam longe de conteúdos como esses que podem auxiliar na gestão ou, no mínimo, abrir os olhos daqueles que pensam que estão dominando seu mercado.
Neste blog vocês encontram artigos falando sobre competitividade, inclusive um que foi apresentado no KM Brasil 2012.
        
         Aproveitem a leitura!!!
Carmen

EMPRESA FAMILIAR E PROFISSIONAL
 Se misturar os problemas, quebra!!!

         Quase 80% das empresas no Brasil e no mundo são consideradas familiares, ou seja, têm origem ou gerência com pessoas da mesma família. No Brasil, desde pequenas e médias empresas a grandes grupos como Odebrecht e Votorantim foram fundadas porfamiliares. Mas apenas 25% das empresas familiares conseguem passar o negócio para outra geração e menos de 10% para a quarta geração. A administração destas empresas exige cuidados e a sucessão é o grande desafio delas.
        Segundo o artigo “A Empresa Familiar”, do professor da Harvard Business School, Robert G. Donnell, as fraquezas da administração familiar podem ser descritas pelos conflitos entre os interesses da família e da empresa, pela falta de organização no orçamento e pela prevalência do nepotismo, quando os parentes ocupam cargos não por mérito, mas por indicação familiar.

       A profissionalização da gestão nas empresafamiliares é o principal caminho para elas se desenvolverem. Consultores de empresas na área recomendam que é preciso estar atento à função e não ao grau de parentesco. Os parentes devem ocupar posições apenas se estiverem preparados e bem treinados. Para isso é preciso muita disciplina e a consciência de que a empresa é uma entidade à parte, separada da família.
      Para que a sucessão de umaempresa familiar seja bem sucedida, ela deve ser planejada desde cedo. Os proprietários precisam preparar os herdeiros para os negócios e verificar questões de direito tributário, societário e de família. Não há legislação que regulamente esse tipo de sociedade, por isso é preciso se cercar de informações e assegurar uma gestão profissional que facilite o caminho da sucessão.
Veja abaixo algumas dicas de especialistas para conduzir empresafamiliares:
- Considerar função e não parentesco
- Não confundir dinheiro da família com o da 
empresa
- Remuneração 
familiar adequada à função e ao mercado
- Se o lucro da 
empresa é insuficiente, buscar outras fontes
- Sem discussões 
familiares na frente do cliente

PROTEJA SEU NEGÓCIO DA BRIGAS DE FAMÍLIA