Páginas

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Entrevista de Emprego: você está preparado? Parte I (Carmen Lúcia Couto)


 A partir de hoje estarei postando algumas dicas para entrevista de emprego com a intenção de auxiliar e orientar o profissional que aspira a uma vaga. É um momento tenso e pesquisas indicam que mais de 80% das pessoas tem receio ou não se sentem preparadas para as tão temidas entrevistas de emprego.

         Sabe-se também que existem, nos processos seletivos, perguntas que o candidato não está preparado para responder e isso, inclusive, poderá comprometer sua seleção à vaga.

Existem, cinco perguntas, que estão abaixo relacionadas, que são consideradas difíceis de responder. Essas perguntas não são para constranger ninguém, porém, é mais uma maneira que o recrutador tem de conhecer o profissional.

         Quais são os seus pontos fracos? Este tipo de pergunta é para que o profissional de Recursos Humanos possa relacionar as características pessoais com o cargo que está para se ocupado.

Dizer que é perfeccionista e detalhista está bem longe do que o recrutador deseja ouvir. A resposta ideal será que a pessoa cite alguma característica, mas não se aprofunde. Cite alguma situação e diga que você está trabalhando para melhorar, mas não dê detalhes. Não aprofunde essa questão.

Por que eu deveria te contratar? A pessoa deve responder que irá ajudar a empresa a alcançar o resultado esperado, já que ela tem as características e competências que o empregador busca.
Do que você menos gostava do seu último trabalho? Existem algumas situações que o profissional nesse momento deverá separar e escolher a melhor resposta, mas lembrando de que o entrevistador está interessado em você, profissional a ser contratado, e não na empresa que trabalhou. Então se o problema for o horário ou a distância, o mais indicado é dizer que o trabalho era incompatível. Já se o problema for algo relacionado a ética é fundamental que a pessoa cite que eram problemas de natureza ética que não concordava. Se os problemas forem relacionado a acordos, dizer apenas que não foram cumpridos. Esta deve ser uma resposta, bem curta.
Fale sobre o seu último chefe.  Esta pergunta é para avaliar o nível de relacionamento que a pessoa tinha com o chefe. Nestas horas, não é bom nem falar muito bem do chefe, porque o profissional pode parecer que é do tipo “puxa-saco” e muito menos falar mal, porque mostra imaturidade. Fale: nossa relação era boa. Toda vez que eu era solicitado, entrega os resultados esperados.
Se você está empregado, por que está procurando emprego? Nada de falar da distância, do salário, dos benefícios e nem dos problemas que o profissional esteja passando na empresa atual. A melhor resposta que o candidato poderá dar é que ele está em busca de novos desafios, de colocações mais adequadas ao seu perfil e de reconhecimento profissional.

 

Para se sair bem na resposta e na entrevista, a sinceridade é o mais importante. A frase do tipo: admiro muito a empresa e quero fazer parte da equipe. É um discurso, além de previsível, sem muito significado para quem está entrevistando. Se estiver com dúvida, poupe os elogios sobre a marca, produtos (ou serviços) da empresa. O que se procura saber é sobre as expectativas do candidato e qual a ideia que ele concebeu sobre a empresa.
         A seguir seguem algumas recomendações de alguns especialistas em RH que podem ajudar você a se destacar ao responder as perguntas.
Pesquise - o entrevistador quer saber o quanto o profissional conhece sobre o cargo, o que a empresa busca, quais são os valores, os concorrentes e a história. E, o mais importante, de maneira objetiva. Procure dar exemplos dados em relação ao mercado, para que o entrevistador entenda que você conhece sobre o contexto em que a empresa está inserida e não só sobre a marca.
Alinhe seus valores com os da empresa - O objetivo profissional tem que estar definido para que a candidatura ao cargo faça sentido para o profissional e para a empresa.
Seja sincero - o candidato deve ser sincero quanto ao salário, se está disposto a trabalhar nos finais de semana, a mudar de cidade, lidar com a pressão da empresa, etc. Não se deve mentir, mas dosar a sinceridade. Cuidado ao dizer, em determinadas entrevistas, que quer virar presidente da empresa em cinco anos. Isso pode parecer ousado demais.
Saia do exagero - Elogios são bem vindos desde que não sejam forçados ou exagerados (tipo: vocês são os melhores, amo o produto de vocês etc).
Empresa concorrente - Destaque a empresa que você está candidato a vaga com dados e exemplos, mas nunca compare de forma pejorativa outras empresas do segmento.

 

Essas dicas são para que o profissional tenha um melhor desempenho ao ser entrevistado, mas é fundamental que a pessoa seja transparente, natural e tenha elegância.


Aguardem as próximas postagens sobre o  tema




Entrevista com consultora em Recursos Humanos e diretora Educacional da Drhíade, Angela Christofoletti  http://dinheiro.br.msn.com/fotos/saiba-como-responder-a-5-perguntas-embara%C3%A7osas-na-entrevista#image=8

Camila Lam e Talita Abrantes, de EXAME.com, em 14 de fevereiro de 2012 -

 



2 comentários:

  1. Muito bom, Carmen! Obrigada pelas valiosas dicas!

    ResponderExcluir
  2. Minha entrevista.


    Quais são os seus pontos fracos?

    Não entendi esta pergunta. Então vou pela resposta do que foi descrito: Se é que este é um ponto fraco, tenho o hábito de observar com bastante atenção o que colegas mais antigos fazem quando se trata do mesmo trabalho. Quando não, procuro sempre refletir pondo-me no lugar do meu superior. De que forma ele gostaria que isso fosse feito?

    Por que eu deveria te contratar?

    Certamente que a empresa já analisou meu curriculum. E já devo haver chamado atenção por alguma particularidade. O certo é que nossa empresa está contratando um funcionário que a conhece muito bem, pois, antes de a procurar, procurou ler a respeito de sua estrutura, de seus feitos, em fim, seu perfil.

    Do que você menos gostava do seu último trabalho?

    Nada tenho contra a empresa anterior. O problema é que, pela própria estrutura na qual ela se assenta, não há espaço para a criatividade e, como consequência, para o crescimento profissional.

    Fale sobre o seu último chefe.

    O meu ex-chefe estava preso no sistema da empresa, assim fica difícil de fazer um comentário melhor embasado sobre o mesmo.

    Se você está empregado, por que está procurando emprego?

    Bem, não estou mais empregado. Mas, de toda forma fui eu quem pediu demissão. E o fiz porque não quero ter idéias e não ter a quem as propor, não ter espaço para as desenvolve-las. Foram X anos de propostas rabiscadas sem uma janela de oportunidade para as colocar.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!