Páginas

quarta-feira, 22 de março de 2017

DIA MUNDIAL DA ÁGUA - 22 DE MARÇO

História do Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. O dia 22 de março, de cada ano, é destinado à discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural.

Mas porque a ONU se preocupou com a água se sabemos que dois terços do planeta Terra é formado por este precioso líquido? A razão é que pouca quantidade, cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.

No dia 22 de março de 1992, a ONU também divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água” (leia abaixo). Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.

Mas como devemos comemorar esta importante data? Não só neste dia, mas também nos outros 364 dias do ano precisamos tomar atitudes em nosso dia-a-dia que colaborem para a preservação e economia deste bem natural. Sugestões não faltam: não jogar lixo nos rios e lagos; economizar água nas atividades cotidianas (banho, escovação de dentes, lavagem de louças etc); reutilizar a água em diversas situações; respeitar as regiões de mananciais e divulgar ideias ecológicas para amigos, parentes e outras pessoas.

(Fonte: http://www.suapesquisa.com/datascomemorativas/dia_mundial_da_agua.htm)

Planeta Água (Guilherme Arantes)



Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias e matam a sede da população
Águas que caem das pedras no véu das cascatas, ronco de trovão
E depois dormem tranquilas no leito dos lagos, no leito dos lagos

Água dos igarapés, onde Iara, a mãe d'água é misteriosa canção
Água que o sol evapora, pro céu vai embora, virar nuvem de algodão
Gotas de água da chuva, alegre arco-íris sobre a plantação
Gotas de água da chuva, tão tristes, são lágrimas na inundação
Águas que movem moinhos são as mesmas águas que encharcam o chão
E sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra

Terra, planeta água, Terra, planeta água, Terra, planeta água

Água que nasce na fonte serena do mundo
E que abre um profundo grotão
Água que faz inocente riacho e deságua na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias e matam a sede da população Águas que movem moinhos são as mesmas águas que encharcam o chão
E sempre voltam humildes pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra, planeta água, Terra, planeta água, Terra, planeta água

Terra, planeta água, Terra, planeta água, Terra planeta água.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

ADRIANO MARCENA LANÇA "A SAIDEIRA" - NOVO LIVRO



A Saideira – Breve História cultural da cerveja em Pernambuco, publicação incentivada pelo Funcultura, terá lançamento dia 14, sábado, no Empório Nova Raiz, no Pina. 

 O escritor sempre tem que está à procura de temas interessantes para tentar escrever algo novo para a sociedade. E é justamente isso que Adriano Marcena vem fazendo ao longo da sua trajetória literária, seja como dramaturgo, seja como prosador. Em sua nova obra, A Saideira - breve história cultural da cerveja em Pernambuco, Marcena prossegue abordando a alimentação brasileira, depois de publicar importantes títulos sobre o tema, como Mexendo o pirão – Importância sociocultural da farinha de mandioca no Brasil holandês e Raspando o tacho – Comida e Cangaço.
Em A Saideira - breve história cultural da cerveja em Pernambuco, o autor percorre as evidências históricas que dialogaram entre si para permitir que a cerveja, uma vez enraizada no paladar dos pernambucanos, se tornasse uma das bebidas mais escolhidas para festejar diversos contextos de sociabilidades.  


 

No prefácio da obra, o jornalista Marcelo Cavalcante assinala que o autor soube muito bem capturar a essência da cerveja e que ela “sempre foi e será um estimulante para os momentos mais leves da vida”. Tony Apolinário, doutor em filosofia e professor da UAST, destaca que em A Saideira, “a cerveja é ‘tomada’ por Adriano Marcena enquanto rico objeto de compreensão de nossos processos de identificação”, o que permite fortalecer laços de pertencimentos. Para ele, a “obra convida-nos a conhecer seu caráter socializador, seus conteúdos simbólico e hierático, os preconceitos que o rodeiam, assim como a abertura ao dionisíaco a que nos convoca”.
O trabalho tenta responder a seguinte questão proposta pelo autor logo na introdução do livro: “Que bebida alcoólica, socialmente quente, porém servida bastante gelada entre nós, é mais banal em nossa paisagem social que a cerveja?” Marcena fundamenta sua pesquisa a partir da tríade fermentação, embriaguez e sociedade e afirma que a cerveja, ao longo dos séculos, exerceu a nobre função de agrupar, reunir os humanos. Para ele “beber cerveja em coletividade pode até propiciar ‘engajamentos efêmeros’, passageiros, porém, por ser ato de socialidade, contribui para que a sociedade permaneça viva e pulsante dentro de cada um de nós, mesmo para aqueles que não a consomem, mas que estão sentados à mesa”.
O livro destaca a atual efervescência da produção de cerveja artesanal em Pernambuco, com o registro dos principais rótulos que já são saboreados pelo público. A obra traz um interessante glossário alusivo à cerveja em Pernambuco e uma versão em audiolivro para garantir o acesso das pessoas com deficiência visual (cegos e baixa visão).
A publicação do livro e A Saideira - breve história cultural da cerveja em Pernambuco teve incentivo do Funcultura, Fundarpe, Secretaria de Cultura e Governo do Estado de Pernambuco e conta com o apoio cultural da Trempe Produções. Em abril, o autor fará lançamento de vários títulos em Portugal e na Espanha. O preço de capa será R$ 15,00 e, em breve, terá sua versão digital disponibilizada em e-book.

Fonte: Texto enviado pela assessoria de imprensa do projeto.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Excelente oportunidade para você encontrar emprego



O BLOG VIDA, SABER E CULTURA FECHA PARCERIA COM A PLATAFORMA ONLINE NEUVOO.

Excelente oportunidade para você encontrar empregos no Brasil e no exterior. Inclusive, a empresa está presente em 64 países. A Plataforma também oferece vagas de emprego em Pernambuco e outros estados brasileiros.
Como Funciona?
A Neuvoo informa as opções e locais de cada vaga na plataforma. O candidato ao clicar em uma vaga de seu interesse é direcionado automaticamente à empresa que divulga a vaga. A partir daí, todo o processo de seleção, os trâmites burocráticos ficarão a par do cidadão e do futuro ambiente de trabalho dele.
São grandes oportunidades para diversas áreas.
É importante ressaltar que algumas vagas pedem experiência do candidato. Outras, não. Para quem quiser saber mais informações, é só entrar no site www.neuvoo.com.br
As plataformas online estão cada vez mais presentes na vida das pessoas e estão facilitando a busca na hora de querer arrumar um emprego. 
Na nossa parceria com a Neuvoo, serão sempre disponibilizados aqui, os links com as vagas nos diversos países onde a empresa está presente.
Para maior rapidez nos resultados CADASTRE-SE NO BLOG E RECEBA POR E-MAIL TODAS AS INFORMAÇÕES ATUALIZADAS. 
BOA SORTE! 
 OPORTUNIDADES EM:











 
  

  

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

ANO NOVO...TEMPO NOVO


......Quando se vê, já terminou o ano... ( Mário Quintana)

...é isso!
google imagens
Cada ano que vai terminando, podemos fazer reflexões para o próximo que vem, mas nunca deixar de sentir o que ficou para trás. O tempo é muito rude, vários compositores e poetas retrataram isso em seus escritos.
O Tempo passado, não é esquecido ou morto, ele apenas é.... passado.
O ontem já foi, vamos esperar o que nos trará o amanhã.
É sempre assim. Ficamos na expectativa de um Ano Novo melhor, mas será que estamos preparados para mudar?
A “culpa” é sempre do “ano”. Ano ímpar, ano par, será?
Será que fizemos o suficiente para nos tornarmos pessoas melhores?
Mas o que significa, realmente, tempo?
O dicionário diz: duração relativa das coisas que cria no ser humano a ideia de presente, passado e futuro; período contínuo no qual os eventos se sucedem. Se perguntarmos a uma criança, essa não vê o tempo futuro. Para ela o tempo é de brincar; já a mocinha, quer ver logo passar, para seu primeiro namorado chegar!; o idoso vê com nostalgia e lembra-se do passado, porém continua sempre a confiar em bons tempos; e os amantes, quando juntos estão, não querem que o tempo pare. Que permaneça o presente!
Tempo!
Tempo que sonhamos
Tempo esperado
Tempo desejado
Quando estamos em momentos felizes, o tempo faz questão de voar.
Mas se a tristeza nos invade, ele teima em não andar.
Muitas vezes. são por lembranças que insistimos em reviver e que o coração teima em não esquecer.
Quando fechamos os olhos e começamos a lembrar do ano que está acabando,revivemos que passamos por tantas coisas conturbadas na política, economia e sociedade.
Mas em tempos melhores, estamos sempre a acreditar.

O tempo, mesmo que ele insista em passar
A esperança nos diz: que sempre é tempo de sonhar, crer e amar.
Que sempre é tempo de ser feliz!

Feliz Natal!

E que no próximo ano tenhamos mais tempo para rever os amigos; brincarmos com os filhos e netos e cuidarmos mais de nós.

Feliz Ano Novo!!!!
Ou será, FELIZ TEMPO NOVO!?!?!

São os desejos do Blog Vida, saber e cultura.
 
(Carmen Lúcia Couto)