Páginas

terça-feira, 29 de maio de 2012

Ser professor...

 Fico sempre emocionada com as demonstrações espontâneas de carinho de meus ex-alunos e atuais. A última foi de VERA SANTOS, ex-aluna da turma de Gestão Portuária.
Ela compartilhou a figura abaixo fazendo uma referência a mim e aos professores que fizeram parte de seu aprendizado.
Como reconhecimento e agradecimento pelo carinho, posto um poema e a foto de Vera com sua turma, que fui uma das professoras homenageadas.
Obrigada, querida!
  



 *Ser professor...
é professar a fé, é a certeza de que tudo
terá valido a pena se o aluno sentir-se feliz
pelo que aprendeu com você e pelo que ele lhe ensinou...

Ser professor é consumir horas e horas
pensando em cada detalhe daquela aula que,
mesmo ocorrendo todos os dias, a cada dia é única e original... 

Ser professor é entrar cansado numa sala de aula e, 
diante da reação da turma, 
 transformar o cansaço numa aventura maravilhosa de ensinar e aprender...

Ser professor é importar-se com o outro numa dimensão de quem cultiva uma planta muito rara que necessita de atenção, amor e cuidado...


*Fonte: adaptado de  mensagens e poemas - autor desconhecido 




TURMA GPO 2011.1





segunda-feira, 21 de maio de 2012

Tema: delegação.


            Receita para você delegar*

Executivos de todas as áreas estão sob pressão cada vez maior para gerar resultados mensuráveis com maior rapidez do que antes. E, como afirma Stephen Covey, vice-presidentes da firma de consultoria Franklin Covey, alguns temem ser considerados desimportantes ou desnecessários se delegarem mais responsabilidades e tarefas aos seus subordinados.
Contudo, do mesmo modo que delegar fica mais difícil, a busca da competitividade também se tornou mais crucial para as empresa. Felizmente especialistas e executivos de ampla gama de setores de atividades tem desenvolvido técnicas destinadas a facilitar a delegação. Vejam algumas delas:

1. Obrigue-se a soltar as rédeas
O caminho para a delegação mais eficaz começa quando os executivos reavaliam duas premissas básicas suas, como observa Patti Hathaway, consultora da The Change Agent, dos EUA. Primeira: “É mais eficiente assumir os problemas dos funcionários do que ensiná-los a lidar com eles”. Segunda: ”Sabemos mais que nossos subordinados diretos”.
Para superar isso, Hathaway estimula seus clientes a pensar como líderes, não como gerentes. Ela argumenta que “gerentes gerenciam detalhes - por exemplo, resolvendo os problemas dos subordinados diretos-, enquanto líderes gerenciam pessoas - estimulando nelas o senso de propriedade e responsabilidade”.

2. Peça, não mande.
Quem tem sucesso em delegar geralmente faz pergunta em vez de ditar ordens. “Perguntar o que você acha que devemos fazer? ’Ensina as pessoas a propor soluções da próxima vez que lhe trouxerem um problema”, diz Joice Gioia, presidente da firma de consultoria norte-americana The Herman Group. Colocar questões abertas – “O que você acha que ocasionou esse problema?” ou “Como lidamos com essa situação com o cliente B?”- pode mostrar até que ponto os subordinados aprofundaram os respectivos problemas.

3. Faça com que a tarefa combine com a pessoa
Os executivos evitam assumir problemas dos subordinados ao delegar as tarefas com base em sua avaliação das habilidades e das necessidades de desenvolvimento de cada um deles.
“Sempre delegue de forma a permitir que as pessoas ousem”, aconselha Bette Price , consultora do The Prince Group, dos EUA. “Trate erros como oportunidades de crescimento. Explique sua avaliação da capacidade de cada funcionário para que ele entenda porque você está entregando-lhe outra tarefa parecida”, acrescenta.

4. Cultive o pensamento independente
Quanto mais o funcionário pensar de forma independente e tiver um senso de propriedade em relação a sua função, menos questão ele levará ao supervisor. (veja quadro).

As tarefas podem receber “notas” de delegação

   Uma empresa de paisagismo norte americana criou um sistema de classificação de problemas em escala numérica que orienta se a solução pode ou não ser delegada aos funcionários. Seu diretor de desenvolvimento de negócios explica que são os subordinados que devem fazer classificação dos problemas, pensando de forma independente.
nota 1 significa que o chefe terá de resolver o problema e pronto;
nota 2 indica que o chefe dirá ao subordinado como resolve-lo e este executará o que ele disse;
nota 3, o funcionário proporá uma solução e pedirá a aprovação do chefe;
nota 4 quer dizer que o funcionário agirá conforme achar correto e comunicará isso ao chefe apenas posteriormente.
Nessa empresa,quando os funcionários vão ao escritório do chefe para apresentar um problema , este já pergunta: “Que número é?”. Para cultivar o senso de propriedade, os funcionários são estimulados por seus gerentes a tomar tantas decisões “4”quanto possível.

5. Garanta acesso aos recursos necessários
Dar aos subordinados acesso direto aos recursos que eles necessitam para resolver um problema também ajudará a reduzir o número de pessoas batendo na sua porta. Pense em recursos de forma ampla; são pessoas. Informações e oportunidades de desenvolvimento.
Michelle Van Dyke, vice-presidente sênior de varejo do Fifth Third Bank, nos EUA, investe muito no recurso “informação” na hora de delegar .”Eu uso e-mails e reuniões para compartilhar informações com os funcionários sobre nosso setor, o foco estratégico de nosso banco e nosso desempenho financeiro. Eles precisam saber as mesmas coisas que eu sei para tomar decisões”.

*Extraído da revista HSM Management artigo de Lauren Keller Johnson 

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Intimidade na rede. Saiba como proteger seus dados

Estudo mostra que fotos de Carolina Dieckmann nua foram acessadas 8 milhões de vezes; saiba como proteger seus dados

BRUNO ROMANI

COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
Em cinco dias, as fotos vazadas na internet em que a atriz Carolina Dieckmann aparece nua tiveram pelo menos 8 milhões de acessos únicos. A estimativa, um alerta sobre como é preciso saber proteger os arquivos mais íntimos, foi feita pela ONG Safernet, em uma pesquisa divulgada à Folha.

O estudo foi realizado para dimensionar a capacidade de propagação de imagens na rede e fez medições entre a noite do último dia 4 (data em que as imagens vazaram) e a tarde do dia 8.


O número é 35 vezes a tiragem da revista "Playboy" no Brasil, que publica 228 mil exemplares por mês.


O estudo da Safernet constatou ainda que o pacote inicial de 36 fotos virou um conjunto de pelo menos 50 mil imagens, que, ao longo do período de monitoramento, se espalharam na rede por 211 domínios em 113 provedores de internet, localizados em 23 países.


"Os dados são desanimadores. Essas fotos vão se eternizar na rede. Não tem como tirá-las de lá", diz Thiago Tavares Nunes de Oliveira, presidente da ONG Safernet, que monitora casos de crimes cibernéticos no Brasil.


Os números podem ser maiores. A pesquisa foi feita só na web, sem contar fotos compartilhadas por e-mail e serviços P2P, como o BitTorrent. Também ficaram de fora mídias físicas, como CDs e DVDs, pen drives e HDs externos para os quais as imagens podem ter sido copiadas.


Para chegar aos dados, a Safernet procurou pelo nome original dos arquivos em buscadores como o Google e em mecanismos de pesquisa dentro de sites. Além disso, usou programas que varrem a internet à procura de imagens digitalmente similares.


"Casos assim são emblemáticos e têm um caráter pedagógico. Eles servem para alertar sobre os cuidados que temos que ter com informações privadas", diz Oliveira.


PRECAUÇÕES


Mas que cuidados são esses? O que fazer para que textos, fotos e vídeos íntimos fiquem bem guardados?


"A única forma de proteger seus arquivos sensíveis é a criptografia", diz Mariano Sumrell, diretor de marketing da AVG Brasil. Programas que fazem isso embaralham o conteúdo de arquivos, que só se tornam compreensíveis por meio de senha.


Outra coisa que pouca gente sabe: apenas arrastar um arquivo para a lixeira não o apaga do disco. Para isso é necessário um software do tipo triturador, que escreve informações sobre o bloco do HD que abrigava o dado.


"Se você quer guardar dados sensíveis no computador, precisa seguir algumas práticas importantes de segurança", diz Fábio Assolini, analista da Kaspersky Lab.


ARMADURA DIGITAL


Dicas para proteger seus dados sensíveis


EMBARALHE TUDO


A principal maneira de garantir que terceiros não terão acesso aos seus arquivos é criptografá-los, o que significa, assim, embaralhar as informações dentro deles. Só com uma senha é possivel torná-los compreensíveis novamente. Dois programas gratuitos que fazem isso: TrueCrypt (truecrypt.org) e Gpg (gpg4win.org)


COMPLIQUE A SENHA...


Uma senha poderosa, vital para proteger os dados, deve ter pelo menos 8 caracteres e misturar números, letras e símbolos. Além disso, tenha uma senha para cada serviço usado. Caso um seja invadido, os outros não serão afetados. Não memorize a senha em navegadores de web, pois ela também pode ser interceptada


...E AS PERGUNTAS


Tenha cuidado com as dicas que você dá ao responder perguntas que visam recuperar a sua senha em serviços como e-mail. Muitas dessas respostas podem ser encontradas em redes sociais, como, por exemplo, a cidade onde nasceu, o nome dos pais ou o time de preferência


TRITURE O LIXO


Colocar os arquivos na lixeira e esvaziá-la não elimina os dados do HD. Eles podem ser recuperados, mesmo que a máquina seja formatada. Para solucionar isso, há programas que trituram arquivos excluídos. Opções gratuitas: CCleaner (piriform.com/ccleaner) e HDDErase (bit.ly/hdderaselink)


TENTE VIGIAR O TÉCNICO


Se você precisar consertar sua máquina, remova a unidade de armazenamento dela ou peça ao técnico que faça o conserto na sua frente. Se isso não for possível, vale a pena usar a criptografia e o triturador de dados


O ANTIVÍRUS É SEU AMIGO


Ainda há muitas pragas virtuais que copiam as informações presentes na máquina. Para combater isso, use um antivírus. Soluções gratuitas: Malwarebytes (malwarebytes.org) e Microsoft Security Essentials (windows.microsoft.com/mse)


CUIDADO COM A CONEXÃO WI-FI


Quando você usa Wi-Fi, especialmente em redes públicas (sem senha), todas as informações que transitam por ela podem ser interceptadas. Para tablets e smartphones, melhor usar um pacote de dados de uma operadora telefônica. Para desktops e notebooks, melhor uma conexão a cabo


USE UM HD EXTERNO


Se você tem dados sensíveis, evite deixá-los no computador, no tablet ou no smartphone, de fácil acesso on-line. Melhor guardar tudo em um HD externo, off-line

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Mãe!

Mãe!
             O verdadeiro amor de mãe é algo imensurável e não tem uma fórmula para demonstrá-lo.
   Pode ser por meio do afago...beijo...carinho...sorriso...lágrimas ou até com um ríspido “não”. Infinitas são as maneiras. Mas o que quer uma mãe é ajudar seu filho a encontrar o caminho da verdadeira felicidade e de uma vida harmoniosa e com muita paz. Supera todos os obstáculos com coragem e força e sempre está próxima. Sofrendo, sorrindo...amando.
             Desejo a você, filho(a), que não desista de encontrar esse caminho, porque sua mãe nunca vai deixá-lo sozinho e a cada obstáculo, queda ou tropeço, a mãe estará sempre perto para apoiar com todo o zelo e amor.

Mães aproveitem seu dia!

Aos meus filhos, Marcela, Victor e Eduarda, “mainha” os ama muito!






segunda-feira, 7 de maio de 2012

Preocupação com o Meio Ambiente - uma lição!

 Recebi, por e-mail da amiga Elma, e estou publicando para um reflexão. Prestem atenção no que diz a senhora idosa da historinha. Comentem.
 
             Na fila do supermercado o caixa diz a uma senhora idosa que deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que sacos de plástico não eram amigáveis ao meio ambiente. A senhora pediu desculpas e disse: “Não havia essa onda verde no meu tempo.”
              O empregado respondeu: "Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com nosso meio ambiente."
               "Você está certo", responde a velha senhora, nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente.

                Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reuso, e eles, os fabricantes de bebidas,usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.
                Realmente não nos preocupamos com o meio ambiente no nosso tempo. Subíamos

as escadas, porque não havia escadas rolantes nas lojas e nos escritórios.
                Caminhamos até o comércio, ao invés de usar o nosso carro de 300 cavalos de potência a cada vez que precisamos ir a dois quarteirões.

                Mas você está certo. Nós não nos preocupávamos com o meio ambiente. Até então, as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. Roupas secas: a secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas bamboleantes de 220  volts. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas. Os meninos pequenos usavam as roupas que tinham sido de seus irmãos mais velhos, e não roupas sempre novas.

              Mas é verdade: não havia preocupação com o meio ambiente, naqueles dias.

              Naquela época só tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela do tamanho de um lenço, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado como?

               Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia máquinas elétricas, que fazem tudo por nós. Quando embalávamos algo um pouco frágil para o correio, usamos jornal amassado para protegê-lo, não plastico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.
              Naqueles tempos não se usava um motor a gasolina apenas para cortar a grama,
era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam a eletricidade.

              Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente.

Bebíamos diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos. Canetas: recarregávamos com tinta umas tantas vezes ao invés de comprar uma outra.
              Abandonamos as navalhas, ao invés de jogar fora todos os aparelhos 'descartáveis' e poluentes só porque a lâmina ficou sem corte.

              Na verdade, tivemos uma onda verde naquela época. Naqueles dias, as pessoas tomavam o bonde ou de ônibus e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar a mãe como um serviço de táxi 24 horas.
               Tínhamos só uma tomada em cada quarto, e não um quadro de tomadas em cada parede para alimentar uma dúzia de aparelhos. E nós não precisávamos de um GPS para receber sinais de satélites a milhas de distância no espaço, só para encontrar a pizzaria mais próxima.

                Então, não é risível que a atual geração fale tanto em meio ambiente, mas não quer abrir mão de nada e não pensa em viver um pouco como na minha época?



terça-feira, 1 de maio de 2012

O que significa Trabalho para você?

(By Carmen Fonseca)

A História do Dia do Trabalho
            O Dia Mundial do Trabalho (1º de maio) foi criado em 1889, por um Congresso Socialista, realizado em Paris, em homenagem à greve geral que aconteceu em 1º de maio de 1886, em Chicago, o principal centro industrial dos Estados Unidos, naquela época. Quem já estudou a época das Revoluções Industriais, os estudos de Taylor, tratamento aos trabalhadores, situações de higiene e condições de trabalho nas fábricas lembra bem dos relatos dessa época.
            Milhares de trabalhadores, então, foram às ruas para protestar contra as condições de trabalho desumanas a que eram submetidos e exigir a redução da jornada de trabalho de 13 para 8 horas diárias. Naquele dia, manifestações, passeatas, piquetes e discursos movimentaram a cidade. A repressão foi violenta: houve prisões, feridos e até mortos nos confrontos entre os operários e a polícia. Em memória aos mártires de Chicago e por tudo o que esse dia significou na luta dos trabalhadores pelos seus direitos, o dia 1º de maio foi instituídos como o Dia Mundial do Trabalho.
            Aqui no Brasil existem relatos de que a data é comemorada desde o ano de 1895. Porém, foi somente em setembro de 1925 que esta data tornou-se oficial, após a criação de um decreto do então presidente Artur Bernardes.
            Fatos importantes relacionados ao 1º de maio no Brasil: em 1º de maio de 1940, o presidente Getúlio Vargas instituiu o salário mínimo. Este deveria suprir as necessidades básicas de uma família (moradia, alimentação, saúde, vestuário, educação e lazer); e em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores.

 

O significado do trabalho

            O trabalho já foi tema de antigos filósofos e, ainda, ocupa a mente de sindicalistas, políticos, pesquisadores e estudiosos modernos, como o sociólogo italiano, Domenico de Masi, que criou a expressão “ócio criativo”.  Que segundo o autor, “é preciso incluir, no cotidiano, atividades que reúnam o descanso, o lazer, o trabalho e a aprendizagem".
            O que o trabalho significa em nossa vida? Um “castigo” para suprir nossas necessidades básicas ou, até, alguns luxos? Um dever para satisfazer uma cobrança social? Ou um projeto de vida para preencher nossas necessidades emocionais, mentais e espirituais, dando sentido à nossa vida?
            É normal acreditar que somos obrigados a trabalhar a fim de ganhar dinheiro para nossa sobrevivência: ter comida suficiente; comprar alguns bens e, principalmente, a casa própria; sustentar os filhos e assegurar uma velhice tranquila. Cada pessoa escolhe porque trabalha. Gostar do que faz talvez seja motivo para  nunca mais precisará trabalhar.
            O trabalho pode ser encarado como fonte de crescimento e realização, mas também como fonte de castigo e sofrimento. Inclusive, na nossa cultura, algumas expressões reforçam isto, “vou para a guerra”, “amanhã é dia de ir à luta”, “sustento minha família com o suor do meu rosto”. A própria origem do termo trabalho confirma isso, pois veio de “tribalium”, um instrumento de castigo medieval.
            Atualmente fala-se muito na valorização do capital humano. É claro que não há empresa perfeita. Nem ser humano sempre satisfeito, ainda mais em locais de trabalho. Na verdade, com tecnologia, práticas e equipamentos iguais ou parecidos, o que vai fazer a diferença, efetivamente, é a GESTÃO e consequentemente como essa gestão pode ocasionar a satisfação nas pessoas.
            Em algumas empresas, ainda persistem práticas muito próximas ao chicote para comandar subordinados. São proprietários, diretores, chefes ou gerentes (com perfil de líder, nunca!) que, através de atuações brutais e egocêntricas, passam dos limites, podando a capacidade criativa das pessoas e desperdiçando talentos.
            Outras vezes, de forma sutil, impõem missões impossíveis ou tarefas inexpressivas; desqualificam ou atacam a vida pessoal do colaborador; dificultam o acesso ao material de trabalho ou aos manuais de instruções; ignoram as atribuições previstas no contrato de trabalho; e por aí vai. Conhecem?
            Existem também situações que podem, até, configurar assédio moral, passível de condenação pelo judiciário.
            Mas, para nossa esperança, existem líderes de empresas que estão aprendendo que a realização dos empregados, a administração ambiental e a responsabilidade social são as futuras chaves para o aumento da produtividade e da criatividade.
            Para nós trabalhadores chega o momento em que precisamos reavaliar a relação que mantemos em nossa atividade profissional. Por que nos sujeitamos a certas situações na empresa?  Pelo salário ou para manter-se em evidência social? Seriam visões de certa forma ultrapassadas, pois além de tarefas e responsabilidades, é preciso ter uma missão, sentindo-se bem e feliz com aquilo que faz, onde faz e da maneira que faz.

Encerro com um ditado indiano como reflexão: “Goste do que faz para não precisar trabalhar”.

 

 

HOMENAGEM TODOS OS TRABALHADORES

Referências;

http://www.suapesquisa.com/datascomemorativas/dia_do_trabalho.htm

http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/275702-tempo_e_dinheiro_francisco_teloeken.html

 

Notícia

Destaco abaixo trechos da publicação da BBC Brasil, de outubro de 2011.

Ranking põe trabalhadores brasileiros entre os mais ‘engajados’ do mundo.

Os empregados brasileiros estão entre os mais engajados no trabalho, segundo uma pesquisa internacional que colocou os funcionários de empresas no país em terceiro em um ranking de 18 países.

A pesquisa, realizada pela consultoria ORC International, considera como engajado o empregado que fala bem da empresa e de seus produtos, tem interesse em continuar sendo parte da organização e em buscar seus objetivos e se esforça para ir além das expectativas básicas de sua função.

Em um índice de 0 a 100, o engajamento dos empregados brasileiros foi classificado em 64, atrás somente dos chineses (67) e indianos (74). Três das últimas cinco posições do ranking são ocupadas por economias desenvolvidas europeias (Grã-Bretanha, França e Espanha), e a última posição é ocupada pelo Japão.
A China foi o país que mais se destacou no ranking deste ano, subindo sete posições em relação ao ano passado e tomando a segunda posição do Brasil.
Por outro lado, a Grã-Bretanha e a Austrália caíram quatro posições cada no ranking, ocupando respectivamente a 17ª e a 14ª posições.
Apesar do alto nível de engajamento geral medido pela ORC International entre os trabalhadores brasileiros, a pesquisa coloca o país apenas em 11º entre os 18 pesquisados quando é analisada somente a percepção sobre o ambiente de trabalho.
O país perdeu cinco posições no ranking sobre ambiente de trabalho entre 2010 e 2011. Segundo a consultoria, “se os índices nessa área continuarem a cair, a bolha do engajamento no Brasil pode estourar no futuro próximo”.
“Assim como os mercados emergentes e os níveis de crescimento rápido levaram à formação de bolhas perigosas na economia, o engajamento dos trabalhadores está longe de estar imune a essas tendências”, observa a pesquisa.

Ranking de engajamento de trabalhadores

1    1.    Índia
2.    China
3.    Brasil
4.    Suíça
5.    Estados Unidos
6.    Áustria
7.    Canadá
8.    Holanda
9.    Alemanha
10. Rússia
11. Cingapura
12. Itália
13. Austrália
14. Espanha
15. França
16. Hong Kong
17. Grã-Bretanha
18. Japão

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/10/111017_pesquisa_engajamento_trabalhadores_rw.shtml