Páginas

quinta-feira, 18 de abril de 2013

CONFIANÇA (Carmen Lúcia Couto)

 
A maior prova de amizade e amor é a confiança! E a maior prova da confiança é a amizade e o amor!

 

A postagem desse final de semana comenta sobre um sentimento que é a base de qualquer relacionamento, seja esse profissional ou pessoal, a CONFIANÇA.
Inicio com um trecho do poema Borboletas, de Mário Quintana, que diz: ...as pessoas não se precisam, elas se completam... Não por serem metades, mas por serem inteiras, dispostas a dividir objetivos comuns, alegrias e vida... (acrescento) e compartilhar segredos. Quem compartilha segredo com seu par ou guarda deste um grande segredo, torna-se cúmplice do outro, então a confiança deveria surgir na relação naturalmente.

Afinal procuramos depositar no outro a crença de que somos dignos dessa confiança. Quando isso não acontece, entende-se que o relacionamento não amadureceu ainda e, pior, é apenas superficial, mas se nos aproximamos e estreitamos mais os laços, fortalecemos essa confiança. Segundo o Dicionário Aurélio, CONFIAR é ter confiança, acreditar, ter fé, confidenciar, por ou ter confiança (em alguém ou alguma coisa), dentre outros. A convivência com o próximo nos faz, aos poucos, adquirir esse sentimento e acreditar que o outro é digno de receber nossa confiança.

A confiança anda de mãos dadas com a verdade e, quando essa verdade vem à tona, sem o conhecimento do outro, “trinca” o relacionamento.

Infelizmente nós não podemos “fabricar” confiança. Por mais que nos esforcemos em cultivar um relacionamento, não conseguiremos despertar o sentimento de confiança nas pessoas com as quais convivemos. Isso, por vezes, nos deixa tristes e com um peso de “inutilidade” naquilo que achávamos que poderia ser uma parceria.
A confiança, na verdade, é fruto de um relacionamento em que sabemos que somos amados, queridos e, até, lembrados. Ela é um sentimento decorrente de expressões de amor; é a consequência de atitudes de afeto, carinho, cuidado, compreensão e atenção, que trocamos com as pessoas com as quais convivemos.
Sendo assim, as atitudes de amor e cumplicidade vão desenvolvendo o sentimento de confiança mútua, onde passamos a conhecer o caráter, a personalidade, o comportamento do outro, a ponto de saber previamente qual será a reação diante de determinada circunstância. 
O que acontece também é que muitas vezes somos tão corretos em nossa forma de agir, que acabamos querendo impor ao outro, quase que por obrigação, que confie em nós. E quando isso não acontece, nos decepcionamos, mas não devemos nos sentir culpados por isso, porque é difícil explicar e entender a ação CONFIAR.
Então quando olhamos para dentro de nós mesmos e começamos a analisar qual o nível de confiança que o outro conseguiu (ou não!) desenvolver em nós, passamos a entender que, somente quando existe uma forte ligação, os laços de confiança se formarão e ficarão cada vez mais firmes. Enquanto não tivermos a certeza, se somos ou não amados, ou passamos essa certeza, infelizmente teremos dificuldades para conseguir uma confiança integral e genuína da outra parte. É uma pena, pois, nesse caso, a insegurança poderá prevalecer sobre qualquer sentimento e abalar o relacionamento.


 __________________________
(Fonte: google imagens e  Sonia Valério da Costa  - Confiança, sentimento a ser trabalhado – reflexão produzida com base no livro A Cabana)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante. Obrigada!